MISSÃO

Representar os legítimos interesses e agregar valor para as empresas associadas, com atuação proativa para garantir a sustentabilidade, o desenvolvimento e a atratividade do negócio de transmissão de energia elétrica. ​

VISÃO

Ser reconhecido como um agente institucional protagonista na promoção da sustentabilidade, do desenvolvimento e da atratividade do setor de transmissão de energia elétrica..

VALORES

• Equidade - Trato igualitário entre as associadas e atuação com isenção
• Transparência - Divulgação de todos os atos para os membros associados
• Sinergia - Atuação coletiva eficiente focada em prol de bem comum
• Foco no Resultado​ - Direcionamento para atender as orientações estratégicas
• Proatividade - Antecipar-se aos fatos na busca de solução favorável


PALAVRA DO PRESIDENTE


O PDE 2024 sinaliza o desafio de investimentos em transmissão da ordem de R$ 108 bilhões, ante R$ 78,8 bilhões do PDE anterior, para fazer face à expansão das fontes de geração e da interligação regional.
O segmento de transmissão sempre esteve presente para atender às necessidades de crescimento do país, mesmo enfrentando as dificuldades de seu desequilíbrio econômico-financeiro que se configurou à época da segmentação das atividades em G/T/D.
Ao longo do período as transmissoras lutaram para reverter este quadro na incessante busca do equilíbrio.
Por isto, houve forte interesse em participar dos leilões, pois, com o seu resultado se vislumbrava solução de equilíbrio de longo prazo.
Com a edição da Lei nº 12.783, convertida da MP 579/2012, houve uma profunda redução da receita das transmissoras, que passaram a receber tão somente a parcela de Operação e de Manutenção que, no máximo, remunera a prestação do serviço.
Somente a Indenização referente aos ativos existentes pós maio.2000 (RBNI) está sendo paga e se encerrará neste mês.
Diante deste quadro de recursos financeiros escassos, as transmissoras tiveram o seu foco nas atividades de Reforços e de Melhorias, por serem obrigatórias no âmbito do contrato de concessão.
Neste período foi assegurada a qualidade da prestação do serviço, mantendo-se o nível de qualidade medido pelo Índice de Disponibilidade de 99,60%, compatível com as melhores práticas.
Mesmo para estas atividades de Reforços/ Melhorias há que se destinar linha de financiamento específica, vez que o montante projetado para 2016 alcança o valor de R$ 3,2 bilhões, cerca de 30% do PDE 2024 anualizado. Há que se considerar que 58% dos ativos de transmissão que tiveram a concessão prorrogada estão com a vida útil regulatória vencida.
Para efeito de raciocínio, caso fossem substituídos estes ativos, implicaria a necessidade de aporte de R$ 4 bilhões anuais. São valores expressivos para as concessões prorrogadas, vez que a receita total monta a R$ 3,7 bilhões.
Por outro lado, até 2012 estas transmissoras eram responsáveis por arrematar 60% financeiros dos leilões, sendo reduzida pela falta de capacidade financeira.
A solução para o segmento de transmissão passa prioritariamente pela indenização dos ativos não depreciados existentes antes de maio 2000 (RBSE), estabelecida pela Lei nº 12.783/13, vital para a recuperação da capacidade de investimentos das transmissoras.
Por isto, é mantida interlocução com o Poder Concedente (MME), para a necessária decisão da forma e do prazo de pagamento da Indenização.
Também, o contingenciamento a que as empresas estaduais estão submetidas ao acesso automático de financiamento do BNDES, quando vencedoras de leilões - diferentemente das demais empresas concorrentes – cria uma assimetria no certame além do desestímulo face aos riscos existentes.
As transmissoras que tiveram suas concessões prorrogadas desejam voltar a participar plenamente da expansão da transmissão, dado o seu enorme desafio avistado, credenciadas pela histórica prestação de serviços com reconhecida qualidade de seus profissionais, e da capacidade de responder perante as condições mais adversas.
Por isto, torna-se imprescindível o início do pagamento da indenização RBSE em 2016.
Assim, estar-se-á assegurando ao segmento de transmissão a continuidade de sua trajetória de sucesso.

Mário Miranda

 



ASSOCIADOS




 

 


DOCUMENTAÇÃO

REGULAÇÃO/LEGISLAÇÃO

NÚMERO DATA TIPO OBJETO LINK FORMA
729 28/06/2016 RESOLUÇÃO NORMATIVA
Estabelecer as disposiÇÕEs relativas à qualidade do serviÇo pÚblico de transmissÃo de energia elÉtrica.

REGULAÇÃO
735 22/06/2016 MEDIDA PROVISÓRIA
Altera as Leis nº 5.655, de 20 de maio de 1971, nº 10.438, de 26 de abril de 2002, nº 12.783, de 11 de janeiro de 2013, nº 9.074, de 7 de julho de 1995, e nº 9.491, de 9 de setembro de 1997, e dá outras providÊncias.

LEGISLAÇÃO
13.203 08/12/2015 LEI
DispÕe sobre a repactuaÇÃo do risco hidrológico de geraÇÃo de energia elÉtrica; institui a bonificaÇÃo pela outorga; e altera as Leis nos 12.783, de 11 de janeiro de 2013, 9.427, de 26 de dezembro de 1996, 9.478, de 6 de agosto de 1997, 9.991, de 24 de julho de 2000, 10.848, de 15 de marÇo de 2004, e 11.488, de 15 de junho de 2007.

LEGISLAÇÃO

 

 

 

sistema de transmissÃO

 

IntegraÇÃo
EletroenergÉtica


SISTEMA DE TRANSMISSÃO HORIZONTE
2015


DIAGRAMA ESQUEMÁTICO DAS
USINAS TERMOELÉTRICAS DO SIN

 
RegiÃo Sul RegiÃo Sudeste-Centro-Oeste RegiÕes Norte/Nordeste
Atualizado em: 17/06/2016 - RevisÃo 89   Atualizado em: 17/06/2016 - Revisão 92 Atualizado em: 17/06/2016 - Revisão 133
Sistemica e Regional/Local
Controle da
TransmissÃo 
Sistemica e Regional/Local 
Áreas de Controle da Transmissão 
Sistemica e Regional/Local

Áreas de Controle da Transmissão 
     
Centro-Oeste/Acre-RondÔnia RegiÕes Sul/Sudeste/Centro-Oeste  
Atualizado em: 17/06/2016 - Revisão 59 Atualizado em: 17/06/2016 - Revisão 143    
Sistemica e Regional/Local
Controle da
TransmissÃo
Sistemica e
Regional/Local
   
     
     

 

EVENTOS

 

 

contaTO

foxyform